Alergia Respiratória

Asma: Doença temida, mas também muito negligenciada, acomete uma grande parcela da população e, apesar de haver até mesmo distribuição gratuita de medicamentos para controle, ainda assistimos óbitos por asma não tratada ou maltratada. 

  Caracterizada por tosse, falta de ar, associada a sibilos C chiado), dor no peito e cansaço, pode aparecer espontaneamente ou desencadeada por atividade física, fatores emocionais e contato com alérgenos. O asmático deve receber medicamentos de controle continuamente, monitorização por meio de testes de esforço, respiratória (espirometria) ou peak flow e, no caso do agente causal ser inalatório, deve complementar o tratamento com imunoterapia administrada pelo alergista, além das medidas de controle ambiental.   Rinite: A mais comum das alergias, caracterizada por espirros, coriza, obstrução nasal e prurido nasal. Talvez por ser comum e muitas vezes negligenciada, o paciente com rinite sofre com insônia irritabilidade, dificuldade de concentração e complicações de vias aéreas superiores, podendo apresentar sinusites de repetição.   Quando os sintomas são provocados por variações anatômicas, como desvio de septo, os otorrinos podem ajudar. Neste caso, o sintoma predominante é a obstrução nasal, mas nos casos de espirro, coriza e prurido é necessário a intervenção do alergista, que além dos medicamentos de controle, abordara nos casos selecionados por meio de teste cutâneos e exames com imunoterapia. A falta de tratamento da rinite pode levar a uma alteração no formato da face, com elevação do palato, e deformidades na arcada dentaria. A rinite deve ser abordada tão logo se perceba os sintomas.